segunda-feira, 17 de agosto de 2015

DISCURSO DE POSSE NA PRESIDÊNCIA DA ACADEMIA ACREANA DE LETRAS

 

Luisa AAL flores

Prof.ª Dr.ª Luísa Galvão Lessa Karlberg

Recebo, com honra e humildade, a Presidência da Academia Acreana de Letras. Eu, nascida no Igarapé Humaitá, Seringal São Luís – situado às cabeceiras do Rio Muru, distante de Tarauacá oito dias de barco -- nunca imaginei chegar a esta instituição. Agradeço aos confrades que aqui me conduziram, por meio de uma eleição ampla, irrestrita e democrática, da Diretoria intitulada “TECIDO DA CULTURA ACREANA”.

E, nesta breve mensagem eu me curvo diante deste sodalício que me elegeu à Presidência da mais elevada instituição de cultura do Acre: a Academia Acreana de Letras. Quem conhece o berço da imensa Selva Amazônica sabe de onde vim e dos caminhos que percorri na vida. Muitos sabem como se faz para se alcançar os frutos no alto das árvores e vencer os medos na misteriosa floresta que embala as nossas vidas. Aprendi, desde cedo, a olhar acima da copa das árvores e saber que havia um mundo para conquistar e o caminho era o da educação, das Letras. E nessa área fui aluna de graduação, mestrado, doutorado, pós-doutorado. Levei a vida inteira a estudar, desde os 5 anos de idade.

Sou uma cabocla, mesclada com o sangue português e holandês, mas me vejo, hoje, tomada de emoção. Não de tristeza, mas de intensa gratidão aos nobres confrades que a vida me presenteou como bons e fraternos amigos. Os senhores sabem, assim como eu, que nas grandes batalhas da vida, o primeiro passo para a vitória é o desejo de vencer. Esse sentimento sempre me moveu. A vida exige de nós - o tempo todo - uma grande capacidade de adaptação, mudanças, enfrentamentos, superação. E aqueles que temem a mudança nunca vão adiante, levam uma vida estática por medo de novos desafios decorrentes da própria existência. E os fracos, somente os fracos, vivem com a cabeça. Receosos, eles criam em torno deles uma segurança baseada na lógica. Com medo, fecham todas as janelas e portas - com teologia, conceitos, palavras, teorias - e do lado de dentro dessas portas e janelas fechadas, eles se escondem. Eu não me escondo, não tenho a alma subalimentada de sonhos, sempre fui à luta, ‘caí no mundo’, como se diz popularmente. E foi nele que aprendi as lições mais sublimes, que redimem meus pecados e lavam a minh’alma feminina, forte e livre para ir adiante, com dignidade.

Sempre procurei superar os desafios desde muito jovem. Sai de casa aos seis anos de idade para um colégio alemão. Agarrava-me às pernas de meu pai para não ir para longe e ele me dizia: “filha, é preciso ir, estudar é a saída para quem não possui riqueza material”. Foi aí que comecei a aprender a transformar sentimentos menos elevados em prol da grandeza da vida, da escola, do conhecimento. Compreendi, desde muito jovem, que o caminho do coração é o caminho da coragem. Deixar o passado para trás e fazer o futuro SER. Também aprendi que a vida é perigosa, mas somente os covardes podem evitar o perigo, mas aí já estão mortos. Somente quem nasceu ou viveu no seio da Floresta Amazônica, como eu -- dentre tantos outros aqui presentes – sabe o significado dessa palavra CORAGEM. Ela vem da raiz cor, que significa coração. Portanto, ser corajoso significa viver com o coração.

E, agora, para enxugar o meu pranto, neste momento de intensa emoção – quando vejo o filme de muitas histórias da minha vida – eu digo o seguinte: - o Amor e a Ternura são sentimentos revolucionários, eles sempre deram norte à minha vida, assim como o saber, a cultura, os meus pais, minhas duas filhas, meus dois netos, os amigos, minha sublime profissão de professora, pesquisadora, educadora. Desta última, fiz meus votos de fé. Tem dado certo. E o melhor de tudo é que embora não estejamos diante do mesmo espelho, estamos nos olhando sempre.  Como diz Guimarães Rosas “o mais importante e bonito do mundo, é isto: que as pessoas não estão sempre iguais, ainda não foram terminadas - mas que elas vão sempre mudando”. Afinam ou desafinam. E tudo indica que vamos afinar ainda mais a canção acreana e porque não dizer brasileira, com essa Diretoria “TECIDO DA CULTURA ACREANA”.

Aqui, fiz breve relato da mulher que hoje se coloca diante da sociedade acreana como Presidente da Academia Acreana de Letras. Nesse cargo dedicarei o melhor dos esforços para cumprir os objetivos da AAL diante da sociedade regional e brasileira. Sou do mundo das Letras, e sei que produzir literatura é algo difícil para quem vive mergulhada no mundo da ciência. Mas eu já compreendi que a literatura antecipa a existência. Não a copia, amolda-a aos seus desígnios, como está fazendo agora. Pois é a literatura uma arte que nos defende contra as ofensas da vida.

Esta Casa, que a partir de agora presido, é uma Academia. A importância das Academias de Letras flui do liame profundo que existe entre estes sodalícios e a cultura. Aqui, no Acre, sua importância salta aos olhos mais atentos de quem olha a cultura como um motor que traduz a vida em sociedade. Isso porque Cultura significa cultivar, do latim colere. Genericamente, a cultura é todo aquele complexo que inclui o conhecimento, a arte, as crenças, a lei, a moral, os costumes e todos os hábitos e aptidões adquiridos pelo ser humano.

E, nesse contexto cultural, aqui no Acre, a Academia Acreana de Letras é, possivelmente, a maior referência no mundo cultural do Estado, uma vez que seus membros, chamados “imortais”, traduzem o lastro cultural do povo. Sendo assim, uma Academia tem o condão de desabrochar aspirações, e de estimular o desenvolvimento da literatura, além de premiar os méritos dos seus mais destacados cultores das letras. Deve penetrar nas regiões do Estado e fazer florescer os gênios dos vales do rio Abunã, Acre, Purus, Juruá. Neste último faço reverência ao meu berço natal: Tarauacá.

Então, falar em Academia é pensar em livros, penetrar na noite dos tempos para encontrar auroras boreais. E, com esta intenção, tateando no desconhecido, pouco a pouco, descobrem-se os indícios primeiros da arte de pensar. O fluir da vida vai acumulando experiência e sabedoria no delta da maturidade, que passa a ser um bem comum, usufruído por todas as gerações e idades, constituindo-se, desse modo, em patrimônio da própria sociedade.

Na Academia Acreana de Letras, cada geração deixa um legado: Amanajós de Araújo, Paulo Bentes, Omar Sabino de Paula, Mauro Modesto e Clodomir Monteiro da Silva. Processo vagaroso, a exigir tempo para tomar corpo e se mostrar. Assemelha-se à formação do universo que, em movimento rotatório, vai condensando energia, gás e luz, até assumir a fosforescência das galáxias, em expansão contínua, onde brilha a centelha da criação.

Por isso tudo, entendo que uma Academia deve espelhar a alma, retratar o espírito, expressar a gênese e as potencialidades de um povo. Guardiã zelosa da língua, o maior patrimônio nacional, a Academia Acreana de Letras deve corrigir desvios, depurar o idioma e preservar sua integridade expressional. Nada distingue mais um povo do outro que sua literatura. No Acre, cabe à AAL resguardar as fontes puras de onde brotam o sentir e o externar das gentes, trabalhá-las e difundi-las para criar a literatura própria, imprescindível de um país enquanto nação. Será nesta Academia que deverão se organizar as trilhas literárias da região e do Estado. Nós, deste sodalício, confreiras e confrades, somos os herdeiros do esplendor do conhecimento humano. Vamos assumir nosso papel, a sociedade nos convida a este dever.

Neste pretendido mandato, a AAL deverá estar presente nas mais diversas discussões sociais, políticas e de caráter comunitário, devendo ser representada em vários conselhos, em nível federal, estadual, municipal. Também deverá promover, periodicamente, debates sobre questões atuais ou problemas regionais, assim como incentivar a produção literária e cultural no Estado do Acre.

Deverá, esta Academia, encadear discussões de natureza diversa:

Ø O idioma pátrio e a literatura de expressão regional;

Ø Trabalhar as questões culturais por bacias hidrográficas, com a participação efetiva dos acadêmicos, para descortinar o potencial humano dessas bacias; o potencial literário; o potencial histórico; o potencial ecológico; o potencial econômico, enfim, tudo aquilo que espelhar a cultura regional.

Ø Deverá a Academia otimizar políticas, junto ao Governo do Acre, para organizar antologias dos movimentos literários, para dar a conhecer ao Acre e ao país os monumentos de expressão acreana, bem como:

Ø Incentivar e promover encontros culturais para sedimentar, sempre, a produção literária;

Ø Estimular os Acadêmicos para profícua atuação junto à sociedade, no sentido de promover oficinas de:

· textos;

· crônicas;

· Poesia;

· Gêneros Literários.

Ø Deverá a AAL realizar encontros de confraternização no meio acadêmico, não somente para festejar a arte do encontro, mas também para conhecer as produções dos confrades e confreiras, no sentido de confeccionar Antologias e discutir estratégias para divulgação das produções dos acadêmicos.

Ø Deverá fazer Concursos literários para incentivar novos talentos. Criar os programas "A Escola vai à Academia e a Academia vai à escola", para que os estudantes conheçam os acadêmicos escritores, cronistas, poetas, historiadores, juristas, literatos, linguistas e demais profissionais.

Essas propostas reúnem um pedaço do grande “TECIDO DA CULTURA ACREANA” que iremos tecer, de forma harmônica e compartilhada, sodalício, entidades, governos e sociedade organizada.

Essas propostas justificam o título da Diretoria” TECIDO DA CULTURA ACREANA” e de todo sodalício. É como pensa Max Weber, que o ser humano é um animal amarrado em teias de significação que ele mesmo teceu. O estudo da cultura não deve ser experimental à procura de leis, mas interpretativo, à procura do significado (Geertz, 1989, p. 15). Assim, como tecedor da cultura, o sujeito caracteriza-se pela atividade; é (re)criador/construtor da estrutura teia que o prende. Está-se diante da própria ideia de complexus, isto é, o que é tecido em conjunto, como diz Morin, (2001, p. 20). Assim, ao tecer a cultura (teia), o sujeito é tecido em conjunto (tece-a ao tempo em que é tecido nela).

De tudo que aqui falo, reflito, manifesto, digo aos senhores, senhoras, ao sodalício da AAL, que poderão apertar minhas mãos e sentir que estou afinada com a arte, a cultura, a vida e o humanismo. E que deixaremos, nessa geração de imortais, imenso legado cultural e intelectual como lição àqueles que chegam depois.

Conclui-se com a célebre frase de John Kennedy: “A mudança é a lei da vida. E aqueles que apenas olham para o passado ou para o presente irão, com certeza, perder o futuro”. Iremos trabalhar para dignificar a Academia Acreana de Letras, aproximá-la dos escritores, poetas, cientistas e a comunidade do Acre e do mundo. Aí, então, como diz o hino acreano:

(...) ergueremos então destas zonas
Um tal canto vibrante e viril
Que será como a voz do Amazonas
Ecoando por todo o Brasil

MUITO OBRIGADA!

O QUE É A AMIZADE?

 

O artigo sobre Amizade não é aula de gramática, mas uma reflexão para um mundo melhor, ao trazer assunto valioso. Algumas pessoas banalizam e acreditam tratar-se de interesses pessoais, oportunidades, proveitos próprios. Mas Amizade é um bem que enriquece e enobrece quem a tem e aquela pessoa que sabe ser amiga. A amizade é uma das mais belas virtudes. Infelizmente, tanta gente desconhece e a deixa passar na vida “em brancas nuvens”.

Segundo os dicionaristas, amigo é aquele “que quer bem, quem tem amizade”. Talvez ainda seja vago, mas procurando o significado da palavra Amizade, encontram-se como sinônimos, entre outros, os termos afeição, amor, boas relações, dedicação, benevolência. Em latim, Amizade significa amicus>amigo, que possivelmente se derivou de amoré>amar, ainda que se diga também que a palavra provém do grego e seja uma relação afetiva, em princípio, sem características romântico-sexuais. Um sentimento fiel de afeição, simpatia, estima ou ternura entre pessoas. É entendimento, fraternidade e bondade.

Sabe-se ser a amizade uma realidade presente na vida concreta de todos os seres humanos, ao longo da vida. Desde o início da história escrita há disso testemunhos. E como a realidade é, certamente, mais antiga que os primeiros relatos, a amizade, antes de ser contada e explicada, é um fato que os humanos vivem. Ela é algo próprio do ser, pertence à natureza humana, enquanto ser social criado para amar.

A amizade é uma gota mitigada no deserto; uma ponte colocada no abismo; um porto avistado na tormenta; a alvorada de uma noite mal dormida; uma trilha orientando a chegada; um retorno consolando a saudade; um sinal de Deus entre as pessoas. Por isso tudo a amizade é a coisa mais difícil do mundo de se explicar. Não é uma coisa que se aprende na escola. Mas, se uma pessoa não aprendeu o significado da amizade, a pessoa realmente não aprendeu nada na vida.

Amizade é aquilo que a gente não precisa cobrar, é algo que surge a partir da confiança, e quando se fortalece, nem mesmo o tempo e a distância pode derrotar. Amizade é o gesto de doar sem esperar nada em troca. É a união da lealdade com o companheirismo, um pouco de segurança. Durante as tempestades, um abrigo sempre pronto a acolher. É a mão sempre pronta a se estender. O ouvido em que se possa desabafar. É aceitar os defeitos e exaltar as virtudes. É ouro dos sábios que o dinheiro não pode comprar. O que é a amizade:

· É algo capaz de amenizar a dor e levar a um coração triste e amargurado um pouco de luz e calor.

· Estar sempre presente nos momentos felizes e nas horas difíceis da vida. É o descendente mais nobre da família do amor.

Difícil dizer alguma coisa sobre algo tão maravilhoso que se vive, se sente e se experimenta; pô-lo em palavras é quase impossível. Só se aprende mesmo o que é amizade vivendo. Amizade significa criar laços. É uma fonte que não retém a água para si (seria poço se o fizesse), mas a dá espontaneamente.

A amizade tem uma linguagem que só se compreende com o coração. É por isso que a amizade resulta numa compreensão grande entre pessoas, porque as palavras de gratidão são ditas com gestos de coração para coração. A glória da amizade não é a mão estendida, nem o sorriso carinhoso, nem mesmo a delícia da companhia. É a inspiração espiritual que vem quando a gente descobre que alguém acredita e confia em nossa pessoa. Isso é sublime!

Amigos não são pessoas que passam por nossa vida e se tornam um fato, mas sim aquelas que permanecem eternamente no coração, na saudade, no cotidiano da lembrança. Por tudo que é a vida e a amizade, é sábio reservar tempo para rir, é esta a música da alma; reservar tempo para ler, é esta a base da sabedoria; reservar tempo para pensar, é esta a fonte do poder; reservar tempo para trabalhar, é este o preço do êxito; reservar tempo para divertir-se, é este o segredo da juventude eterna; reservar tempo para ser amigo, é este o caminho da felicidade; reservar tempo para sonhar, é este o meio de ligar a uma estrela o carro em que se viaja na Terra; reservar tempo para amar e ser amado, é este o privilégio dos deuses; reservar tempo para ser útil aos outros, esta vida é demasiada curta para que sejamos egoístas.

Sabe-se ser a amizade indispensável ao bom funcionamento da memória e para a integridade do próprio eu. A amizade é um aroma que perfuma a vida, uma suavidade que a encanta, uma lembrança que a embeleza. A amizade é uma virtude que muitos sabem que existe, alguns descobrem, mas poucos reconhecem.

Finalmente, fruto do hábito e da vontade, a Amizade, segundo Aristóteles -- que a eleva à categoria de virtude -- é uma disposição permanente que decorre de uma escolha livre e recíproca. Além disso, o outro é amado por ele próprio e não por um cálculo mais ou menos egoísta: Aristóteles desqualifica as amizades estabelecidas com base na utilidade ou simples prazer. Esta concepção muito forte da amizade encontra-se em Montaigne: «Na verdadeira amizade, diz ele, dou-me ao meu amigo mais do que dele quero para mim.» Sob esta forma, a amizade é considerada, desde a Antiguidade, como a própria expressão da felicidade.

DICAS DE GRAMÁTICA

MAU e MAL, como usá-los professora?

- Da seguinte forma, Cássio:

Mau, o contrário de bom, é adjetivo – portanto sempre acompanha um substantivo – e tem o feminino (plural: maus e más):

· Fez um mau negócio, num mau momento.

· Os homens maus e as mulheres más sempre se dão mal.

· O lobo mau enfrentou um homem bom.

Mal tem por antônimo a palavra bem e pode ser

(1) advérbio de modo; neste caso fica invariável e no mais das vezes acompanha um verbo ou um adjetivo:

· Quando ele se comporta mal, nada vai bem.

Isso pegou mal.

· Ela joga muito mal.

· Ele é mal-humorado.

· Estamos mal servidos.

(2) substantivo:

· O pequeno mal que o remédio provoca é compensado pelo bem que lhe traz.

· Ele não imagina o mal que fez.

(3) conjunção:

· Mal chegou de viagem, já deseja partir.

IMPORTÂNCIA DAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO MUNDO DO TRABALHO

 

Este artigo não traz receita, mas uma reflexão sobre sentimentos, atitudes, auto-estima, respeito ao próximo, qualidade no ambiente de trabalho, lugar onde as pessoas passam a maior parte de suas vidas. Nesse espaço, algo precisa ser feito, trabalhado, melhorado. A intolerância, o desrespeito, o pouco caso nas relações interpessoais não deve ser permitido. Afinal, a humanidade deve caminhar para o aperfeiçoamento e não para o caos.

Nesse sentido, não é admissível se chegar a um local, uma empresa, uma indústria, uma repartição pública, e encontrar alguém de cara feia, de má vontade, que não responde a um simples e cordial bom-dia. Afinal, o que faz uma pessoa assim num ambiente de serviço? Ainda mais num espaço público e educacional?!

Porém, entre tantas firulas existentes no serviço público, aquela que mais me choca e envergonha é entrar num lugar cujo lema é Educação e ali ouvir pessoas falando de outras, dos chefes, dos colegas, sem o mínimo pudor, respeito, ética. Por isso entendo ser urgente encontrar um novo estilo de administração, voltado para o trabalho em equipe e o desenvolvimento das potencialidades humanas, acabando, de vez, com feudos e grupos parasitários que se apossam de bens e serviços públicos como se fossem coisas pessoais. Gente que age dessa forma deveria ser penalizada, perder o emprego, ir para uma clínica, hospício etc. O serviço público, como o nome diz, existe para servir o público e servir bem, sem cara feia.

E qual solução se tem para este quadro lastimável? É urgente que ele seja melhorado. E, para tanto, devem-se analisar alguns aspectos do ser humano, como por exemplo, a personalidade dos indivíduos; as habilidades sociais e técnicas; as atitudes; os processos de comunicação, percepção, feedback, entre outros. São aspectos fundamentais ao sucesso do serviço público.

Entendo que a base para a melhoria das relações interpessoais é a compreensão de que cada pessoa tem uma personalidade própria, que precisa ser respeitada. Cada ser humano traz  consigo necessidades sociais, materiais e psicológicas, que precisam ser satisfeitas, pois elas influenciam o seu comportamento e, conseqüentemente, os resultados na produção das tarefas executadas. Mas há pessoas que precisam ser tratadas com psicólogos, psiquiatras, analistas. Há gente que não gosta de si mesma, então, como vai gostar dos outros e tratá-los bem?

Por isso tudo entendo que as relações interpessoais atuam como uma disposição interior, uma aceitação do outro, que transparece no modo de falar, de olhar, na conduta com o outro e, sobretudo, na forma de agir educadamente. Assim, os líderes, os chefes de setores, os governantes, administradores, precisam conhecer aqueles que os cercam e desenvolver a coragem de intervir com sinceridade, firmeza, clareza, determinação, no sentido de coibir abusos, incentivar boas condutas, que cada pessoa faça a aquilo que lhe compete, da melhor forma possível. Trabalhar não é um favor que se faz a alguém, é uma obrigação, um dever social, cívico de cada pessoa.

O psicólogo e educador francês Pierre Weil (1971), estudioso das relações interpessoais, propõe dez mandamentos a serem observados pelos membros de um grupo: 1º) Respeitar o próximo como ser humano; 2º) Evitar cortar a palavra a quem fala, esperar sua vez; 3º) Controlar as suas reações agressivas, evitando ser indelicado ou irônico; 4º) Evitar o “pular” por cima de seu chefe imediato, quando o fizer dar explicação; 5º) Procurar conhecer melhor os membros de seu grupo, a fim de compreendê-los; 6º) Evitar o tomar a responsabilidade atribuída a outro, a não ser a pedido deste ou em caso de emergência; 7º) Procurar a causa das suas antipatias a fim de vencê-las; 8º) Estar sempre sorridente; 9º) Procurar definir bem o sentido das palavras no caso de discussões em grupo, para evitar mal entendido; 10º) Ser modesto nas discussões, pensar que talvez o outro tenha razão e, senão, procurar compreender-lhe as razões.

As sugestões aqui postas, se colocadas em prática, podem mudar o quadro das relações interpessoais tanto no setor de trabalho quanto no seio de uma família. A questão da comunicação entre as pessoas é hoje um aspecto que ganha destaque por sua relevância na qualidade de vida. Não raras vezes, assistimos, assustados, episódios nos telejornais, expondo situações corriqueiras, próprias do cotidiano, que terminam em ações violentas, chegando, por vezes, às ultimas conseqüências. Do mesmo modo assistimos conflitos que envolvem até os órgãos responsáveis, eles próprios, pela segurança das pessoas.

          Todos esses sintomas vão delineando um formato social preocupante, onde o imediatismo, a intolerância com a dificuldade, seja em que grau for, vai assumindo a tonalidade predominante nas relações pessoais. Nos setores onde houver necessidade, estas são algumas sugestões que podem ser observadas, analisadas e aplicadas dentro das organizações, repartições públicas, enfim, entidades governamentais ou não governamentais. É preciso trabalhar com qualidade, atender com qualidade e viver com qualidade.

Então, se desejarmos uma sociedade diferente, teremos que mudar as pessoas, a maneira de pensar e sentir, para que se possa alterar a conduta, já que são essas maneiras de ser que determinam o comportamento do ser humano. Relacionar-se é dar e receber ao mesmo tempo, ou seja, é estar aberto para o novo. É a capacidade de escolher, de desenvolver uma visão para si mesmo, reescrevendo a vida, iniciando um novo hábito ou abandonando um antigo em prol da felicidade. E a felicidade é democrática, todos têm o direito a ela.

DICAS DE GRAMÁTICA

POSSO DIZER: "ENTRAR DENTRO"?

- NÃO! NUNCA! Também não diga: Sair fora ou para fora; elo de ligação; monopólio exclusivo, já não há mais; ganhar grátis;viúva do falecido.

VENDEU "UMA" GRAMA DE OURO?

- Não! Grama, peso, é palavra masculina: um grama de ouro, vitamina C de dois gramas.

Agora é possível dizer: a grama do jardim cresceu; comprei uma bonita grama para o jardim.

A grama é relva; O grama é peso.

ELEGÂNCIA NO FALAR E NO ESCREVER

 

 photo elegante.gif

 

No dia-a-dia de nossas atividades estudantis, profissionais ou de lazer, nos discursos, na correspondência, ou mesmo no bate-papo entre amigos, qual de nós não cometeu algumas impropriedades de linguagem? O tempo passa e, se não exercitarmos o que estudamos e aprendemos, certamente alguma coisa vai escapar. E vai daí que... Pensando nisso tudo, apresentamos uma série de formas próprias e impróprias de nos expressar, evitando, assim, 'gafes' desnecessárias. Na coluna da esquerda, apresentamos as formas impróprias, ou seja, incorretas; à direita, estão as formas próprias, ou corretas.

IMPRÓPRIAS

PRÓPRIAS

A defesa entrou com recurso

A defesa interpôs recurso

Aposentados recebem vencimentos

Aposentados recebem proventos

As injeções já foram aplicadas

As injeções já foram feitas

As sentenças são anunciadas

As sentenças são prolatadas ou proferidas

Caiu dentro da piscina

Caiu na piscina

Chefes dos Executivos recebem vencimentos e ajuda de custo

Chefes dos Executivos recebem subsídios e ajuda de representação

Despachos de juízes são assinados

Despachos de juízes são exarados

Despesa é limitada

Despesa é fixada

Ele está atendendo a telefonema dela

Ele está atendendo ao telefonema dela

Empregados regidos pela CLT recebem ordenados

Empregados regidos pela CLT recebem salários

Escreventes da Justiça são funcionários

Escreventes da Justiça são serventuários

Estive na divisa do Brasil com a Bolívia

Estive na fronteira do Brasil com a Bolívia

Exonerações são decretadas

Exonerações são concedidas

Falou no telefone

Falou ao telefone

'Habeas corpus' são requeridos

'Habeas corpus' são impetrados

Impetra-se mandato de segurança

Impetra-se mandado de segurança

Juiz dá parecer ou opinião

Juiz vota, dá sentença ou julga

Juiz expede mandato de busca e apreensão

Juiz expede mandado de busca e apreensão

Ministério é 'staff' governamental

Ministério é Secretaria de Estado

O carro chocou-se contra o poste

O carro chocou-se com o poste

O custo do processo é muito elevado

As custas do processo são elevadas

O guarda extraiu a multa

O guarda aplicou a multa

O legista fez a autópsia no cadáver

O legista fez a necropsia no cadáver

O Presidente pôs veto na lei

O Presidente opôs veto à lei

O que é bom para a gripe?

O que é bom contra a gripe?

Os promotores promovem libelos

Os promotores proferem libelos

Parlamentares exercem representação

Parlamentares exercem mandatos

Parlamentares recebem vencimentos

Parlamentares recebem subsídios

Prisões preventivas são expedidas

Prisões preventivas são decretadas

- Quem é? É fulana? - É ela mesma!

- Quem é? É fulana? - Sim, sou eu!

Quero falar consigo

Quero falar com você (ou com o senhor)

Questões de ordem no Parlamento são requeridas

Questões de ordem no Parlamento são levantadas

Receita é calculada

Receita é estimada

Recorre-se da decisão do juiz

Apela-se da decisão do juiz

Recursos são requeridos

Recursos são interpostos

Temos várias alternativas

Temos alternativas
(opção entre duas coisas)

Tirou a criança para fora do buraco

Tirou a criança do buraco

Venci na vida às minhas custas

Venci na vida à minha custa

Viúvas e herdeiros recebem proventos

Viúvas e herdeiros recebem pensões

Conclui-se o texto dizendo ser importante o bom uso da linguagem, em qualquer situação da vida, pois a linguagem é como espelho, ferramenta, lugar. Deverá o leitor ficar atento para evitar situações embaraçosas, sobre o que dizer ou não dizer em conversas, relacionamentos pessoais, apresentações, discursos, textos escritos. Na vida, a linguagem traduz cada pessoa, sua forma de ser, agir, pensar. È uma arma com a qual a pessoa poderá ganhar ou perder. Portanto, todo cuidado será pouco.

DICAS DE GRAMÁTICA

ONDE ou AONDE e DONDE, quando usar uma forma e outra?

- Use ONDE nos casos que não admitem uma substituição por PARA ONDE, como as situações estáticas:

"Onde moras?"

"O lugar onde vives é muito bonito."

"Onde colocaste o Domínio?"

- Use AONDE nos casos que admitem uma substituição por PARA ONDE, como nas situações dinâmicas, onde aparecem verbos de movimento:

"Aonde vamos?" ("Para onde vamos?")

"Aonde te diriges?" ("Para onde te diriges?")

- Use DONDE para indicar procedência, causa ou conclusão.

Exemplos:

"Donde vens? E donde esta cara triste?"

"Ele nunca adoece, donde se conclui que tem boa saúde."

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

VERDADES DO CORAÇÃO

 

 photo mlusjz145pk8.gif

Hoje a razão
Resolveu entrar em contato
Com o meu sofrido coração.

E fizeram assim...
Após longa e boa discussão,
Ambos decidiram unidos
Tomar uma decisão...

Qual seja:
Não suportam mais as mentiras
Muito menos a ingratidão.
Por isso, a partir de hoje,
Chega de viver de ilusão.

Juntas...
Resolvem esquecer o passado,
Os enganos e traições,
Também darão adeus
À temível solidão.

Como farão isso?
Para obter forças resolvem
Unir razão e coração

E caminharem juntas
Numa nova paixão.

Verdade?
Sim, esquecerão de vez
Quem covardemente partiu
Sem dar uma explicação.
Assim serão novamente felizes,
A razão e o coração!

ENVELHECER

 

 

Conforme a pessoa envelhece, fica mais fácil ser positiva. É nessa altura da vida que a gente se preocupa menos com o que os outros pensam da gente. Eu já me questionei muito e deixei de fazer tantas coisas por cobranças minhas. Hoje penso que ganhei o direito de estar errada porque a idade me libertou de muitos dogmas. Eu gosto da pessoa que me tornei.  Eu não vou viver para sempre, mas enquanto eu ainda estou aqui, eu não vou perder tempo lamentando o que poderia ter sido, ou me preocupar com o que será.  Eu vou comer sobremesa todos os dias (se me apetecer). E vou procurar ser sempre feliz, realizada naquilo que faço, que escolhi para a minha vida. Aprendi a lutar comigo mesma, a vencer medos. Mas por vezes eu temo o tempo, embora saiba que envelhecer ainda é a única maneira de viver mais tempo. E se o tempo envelhece meu corpo, ele ativa a minha emoção, fortalece minha alma e me renova para a eternidade. Assim que estou bem na minha idade. Obrigada, grande Deus!

O BEIJO

 

 

O melhor beijo é aquele desejado,

O beijo do ser amado,

O beijo mais apaixonado,

O beijo da minha vontade,

Dado com docilidade.

O melhor beijo é aquele sem tempo,

Que toma a vida da gente,

De um jeito ardente,

Pleno de cheiro e sabor,

Dado com intenso calor.

 

O melhor beijo é aquele do ser amado,

Do anjo conquistado,

O amor querido e sonhado,

Nunca por ele enganado,

Sincero, fiel desejado.

 

O melhor beijo é aquele de quem se ama,

De quem se alimenta a chama,

De amor, paixão, ternura,

Dedicação, meiguice, candura,

De vida eterna e pura.

 

O melhor beijo é aquele do ser amado,

Do ser desejado,

Da pessoa conquistada,

O beijo ardente e sonhado.

 

O melhor beijo é aquele de quem ama,

De quem se alimenta a chama aedente,

O beijo divino! o anseio delirante,

Na eterna vontade amante...

 

O melhor beijo é aquele da despedida,

Sem hora, sem tempo de acabar,

É o viver eterno de amar,

Querer, desejar conquistar.

 

O melhor beijo é aquele de quem se ama,

De quem se alimenta a chama,

De paixão, amor, ternura,

É o beijo quente, que enche a alma da gente.

A vida da gente é feita assim: um dia o elogio, no outro a crítica. A arte de analisar o trabalho de alguém é uma tarefa um pouco árdua porque mexe diretamente com o ego do receptor, seja ele leitor crítico ou não crítico. Por isso, espero que os visitantes deste blog LINGUAGEM E CULTURA tenham coerência para discordar ou não das observações que aqui sejam feitas, mas que não deixem de expressar, em hipótese alguma, seus pontos de vista, para que aproveitemos esse espaço, não como um ambiente de “alfinetadas” e “assopradas”, mas de simultâneas, inéditas e inesquecíveis trocas de experiências.